• es
  • pt-br
  • pt-pt
(+34) 902 207 782

Blog sobre Retenção e Desenvolvimento do Capital Humano

Trabalhos tóxicos: 15 sinais que alertam da sua existência

69% dos profissionais admitem que o seu trabalho influi na sua saúde, segundo o estudo Toxic Workplaces As a Factor in the Reduction of the Quality of Work Life.  Por isso, os trabalhos tóxicos podem gerar graves consequências no bem-estar dos empregados e, como consequência, na produtividade da companhia. Como podem os líderes detetar estas situações?

Trabajos tóxicos: 15 señales que alertan de su existencia

Os trabalhos tóxicos e o seu impacto

Os trabalhos tóxicos podem-se definir como aqueles ambientes laborais marcados pela existência de um drama significativo e de lutas internas, onde, com frequência, as batalhas pessoais prejudicam a satisfação e a produtividade do pessoal.

Descarrega o eBook da medição científica da Formação e Desenvolvimento

Nas palavras de Thomas W Colligan y Eileen M Higgins, autores de Workplace Stress: Etiology and Consequences, a toxicidade, no âmbito laboral, supõe “mudanças no estado físico ou mental de uma pessoa como resposta ao seu lugar de trabalho, que lhe coloca um desafio claro ou uma ameaça para o seu bem-estar ”.

Estas circunstâncias geram diversos efeitos negativos para os trabalhadores, até tal ponto que 61% dos empregados considera que o stress laboral lhes gerou alguma enfermidade e em 7% dos casos tiveram que ser hospitalizados. O professor Jeffery Pfeffer, professor da Universidade de Standford e autor de Dying for a Paycheck, estima que 120.000 mortes por ano nos Estados Unidos podem ser atribuídas  à dita toxicidade no trabalho.

Mas junto aos efeitos na saúde do capital humano, os trabalhos tóxicos também influem muito negativamente e o bom funcionamento da empresa, já que uma estrutura insatisfeita contribui para uma descida no seu compromisso, no seu rendimento e, portanto, na deterioração dos resultados da companhia. Daí que os dirigentes devam prestar atenção aos ambientes de trabalho nas suas organizações, fomentando climas laborais positivos que mantenham o pessoal longe de situações com trabalhos tóxicos. Como refere Alan A. Cavaiola em The Toxic Workplace, “o trabalho pode não ser divertido mas tampouco deveria ser castigador ou degradante, não é verdade?”.

 

Indícios dos trabalhos tóxicos

Os trabalhos tóxicos podem adotar numerosas formas, desde a existência de um assédio expresso até situações nas que o empregado não se sente valorizado. Como podemos saber se estamos ante um ambiente de trabalho tóxico? Estes são alguns sinais que evidenciam diferentes circunstâncias de trabalhos tóxicos:

  1. Os empregados não se sentem integrados na companhia. O compromisso de um profissional com a organização é um dos principais parâmetros que denotam a satisfação laboral. Por isso, quando os trabalhadores não se sentem parte da empresa e rejeitam os valores, políticas ou funcionamento da mesma, pensando inclusivamente em abandoná-la, é um indício de que estamos perante trabalhos tóxicos.
  2. O trabalho absorve a vida pessoal do capital humano. Paradoxalmente, um excesso de compromisso laboral tampouco representa uma situação saudável. Quer dizer, se o emprego está monopolizando todo o tempo dos empregados, eliminando a sua vida pessoal, estaremos também ante um caso de toxicidade no trabalho, pois, como põe em evidência uma investigação levada a cabo através de Happify, a satisfação no trabalho está influenciada por dois fatores principais: ter uma vida fora do trabalho e ter o dinheiro para a pagar.
  3. Os profissionais mostram-se confundidos a respeito ao seu papel no trabalho. Sofrer conflitos de papel e sentir-se desconcertado sobre quais são as suas funções dentro da empresa é outro sinal dos trabalhos tóxicos.
  4. Consideram que a organização é disfuncional. Obviamente, qualquer empresa pode melhorar os seus processos e métodos, mas se a opinião generalizada é que o funcionamento da companhia é caótico, é possível que também estejamos perante trabalhos tóxicos. Considerar as reuniões como uma perda de tempo, que os projetos não chegam a bom porto ou que a metodologia é pesada e ineficaz são alguns reflexos desta circunstância.
  5. Se o trabalho altera a ideia de normalidade nas pessoas. Se percebemos que os valores e princípios dos empregados começam a mudar, influenciados pelas práticas que se levam a cabo na organização, devemos ponderar se estamos perante um trabalho tóxico.
  6. A estrutura mostra-se desmotivada. Outro dos elementos que melhor evidenciam que estamos perante trabalhos tóxicos vem exposto pelo facto de que os trabalhadores se sentem completamente desmotivados com o que fazem e creem que ir para o seu posto de trabalho cada dia supõe um suplicio.
  7. Má comunicação organizacional. A fluidez da comunicação dentro de uma empresa é imprescindível para gerar um bom ambiente laboral e potenciar o desempenho. Sem embargo, quando a companhia sofre com essa comunicação propicia-se a aparição de stress e insatisfação entre os empregados. Como refere Juan Armando Corbin, no artigo Trabalhos tóxicos: 11 sinais que indicam que tem um emprego lixo, “uma comunicação pobre é sinónimo de um trabalho tóxico”.
  8. Não existe conexão entre o chefe e os subordinados. As más relações pessoais entre superiores e empregados é um dos principais fatores que geram situações tóxicas dentro da empresa. De facto, segundo o estudo Porque se vão?, do Future For Work Institute, 45,2% dos profissionais abandonam os seus postos de trabalho por motivos relacionados com o seu chefe direto.
  9. Más relações com os colegas de trabalho. Junto com o chefe, os vínculos entre os colegas de trabalho também podem enlamear o ambiente laboral e converter-lo num caso de trabalhos tóxicos. Como evidência a investigação State Of The American Workplace, levada a cabo por Gallup, ter amigos na empresa aumenta a satisfação laboral em 50%, mas quando as relações não são positivas, estes dados invertem-se, provocando uma queda da felicidade e do desempenho, aumentando os conflitos internos e os índices de stress da estrutura.
  10. Existe um ambiente laboral negativo. É possível que não se detete nenhum problema concreto a nível individual entre os colegas, mas o próprio ambiente laboral pode refletir uma situação tóxica. Intrigas contínuas entre empregados, disputas internas, falta de companheirismo, constantes mal-entendidos ou favoritismo são algumas características dos trabalhos tóxicos.
  11. Casos de mobbing. Quando estas relaciones pessoais desembocam em casos de mobbing, quer dizer, assédio psicológico dentro da empresa (seja a nível horizontal ou vertical), estamos perante um claro exemplo de trabalhos tóxicos.
  12. Pobres condições laborais oferecidas. O excesso de trabalho, os salários extremamente baixos, a precariedade nos contratos, etc. são também elementos que conformam os trabalhos tóxicos. É possível que os empregados tenham aceitado essas condições devido à sua situação pessoal, mas estas circunstâncias geram uma sensação de pressão, stress e desmotivação que carrega sintomas prejudiciais para qualquer profissional a nível pessoal e laboral.
  13. Advertências contínuas sobre “o afortunados que são os profissionais com emprego”. Uma lanterna, vermelha em relação ao trabalho tóxico, é quando o superior insiste na alegria que devem sentir os empregados por ter trabalho, pois este lembrete não é mais que uma advertência para que se mantenham nessa zona de conforto, e reflete um comportamento excessivamente controlador a respeito do capital humano.
  14. Não existem possibilidades de crescimento. O desenvolvimento profissional é um dos pontos que mais valorizam os trabalhadores a respeito das suas empresas, de modo que, se a organização não oferece opções de crescimento, é provável que se gerem situações de toxicidade.
  15. Altos índices de stress e burnout. Uma das consequências de trabalhar em ambientes tóxicos é a aparição de níveis de stress excessivos que causam o chamado síndrome de burnout dos empregados.

Ora bem, para confirmar se o ambiente de trabalho de uma empresa é positivo ou não, os dirigentes têm à sua disposição ferramentas de avaliação que lhes revelarão o índice de satisfação e compromisso da estrutura. A partir do Grupo P&A, consultora com duas décadas de experiência em Liderança e Gestão de Recursos Humanos, oferecemos um serviço de assessment , com o qual poderá conhecer em que ponto se encontra a companhia e como melhorar a situação para aproveitar ao máximo o potencial do capital humano.


Nuevo llamado a la acción

António

No hay comentarios

No hay comentarios todavía.

Dejar un comentario