• es
  • pt-br
  • fr-fr
(+34) 902 207 782

Blog sobre Retenção e Desenvolvimento do Capital Humano

A necessidade de liderança autocrática é meio correta

Ultimamente existiram chamadas a favor de uma maior autocracia por parte dos nossos líderes. Alguns argumentarão que as tendências nas eleições nacionais de muitos países, que favorecem partidos da política de direita, confirmariam este argumento. No mundo das empresas, alguns questionam a validade do atual enfoque dominante de desenvolvimento da liderança orientado para uma liderança democrática e inclusiva, posicionando-se a favor de estilos mais autoritários.

Este ponto de vista foi expressado por consultores e professores de diversas origens. Por exemplo, o professor de Stanford Jeffrey Pfeffer advogou claramente por um enfoque mais autoritário. Sustém que os líderes mais efetivos são narcisistas e enganosos e não dependem em absoluto dos processos democráticos. Por fim, diz Pfeffer, todos estaríamos melhor aceitando que os nossos líderes em geral não são verdadeiros, autenticos, modestos ou dignos de confiança, e que são em grande medida o oposto à mensagem que recebemos das populares histórias de liderança motivacional que escutamos. Pfeffer sustém que a manipulação, a mentira e a atuação narcisista não só estão generalizadas, mas também que funcionam. De facto, são necessárias e, portanto, são recomendáveis.

Descarrega o eBook da medição científica da Formação e Desenvolvimento

Rajeev Peshawaria, um experiente profissional de RH e especialista em desenvolvimento de liderança, que trabalhou como Diretor de Formação na Coca Cola e na Morgan Stanley, escreve: “Talvez a maior verdade incómoda dos tempos atuais é esta. Idealizamos demasiado a liderança democrática, quando a necessidade da hora atual é, e sempre foi, uma liderança autocrática e descendente “. Segundo ele, “para impulsionar os resultados inovadores na atual época de velocidade, a liderança autocrática de cima até baixo é realmente necessária “.

Escritores de respeitadas publicações de direção de empresas também adotaram esta ideia. Theodore Kinni, editor colaborador de Estratégia e Negócios, escreve: “Por muito que me doa escrever isto, as pessoas provavelmente querem líderes autocráticos. Diabo, talvez necessitemos líderes autocráticos “.

Liderança autocrática

Para muitos, esta é uma mensagem atrativa, em parte porque é uma opinião contrária. Para além disso, apela aos egos de muitas pessoas e apoia os seus instintos naturais. Grande parte do argumento a favor da liderança autoritária usa exemplos de líderes políticos notáveis que foram fortes e autocráticos, incluindo Ghandi, Martin Luther King ou Abraham Lincoln. Ironicamente, quem argumenta a favor da liderança democrática frequentemente invocam as mesmas pessoas para demonstrar o seu ponto de vista. Jack Zenger sustém que tudo isto constitui uma análise errónea da investigação sobre liderança. Selecionam-se anedotas para demonstrar um ponto de vista, que é uma das primeiras falácias que se aprende ao estudar lógica e argumentação.

As duas palavras, “liderança autocrática”, examinam-se melhor por separado.

A liderança geralmente reconhece-se como a influência de alguém num nível superior da organização. Essa influência usa-se para permitir que a organização atinja os seus objetivos. O termo “autocrática” refere-se a como se exerce essa influência. Introduza “liderança autocrática” na maioria dos motores de busca e obterá algo parecido a:
” Liderança autocrática: um estilo de gestão no qual uma pessoa controla todas as decisões, mas recebe uma mínima ou nenhuma contribuição dos demais membros do grupo. As decisões baseiam-se nas crenças do líder e não incluem sugestões ou conselhos de outros”.
Tenha em conta que “autocrática” descreve o estilo ou a maneira como o líder opera, mas não aborda o que o líder faz ou finalmente consegue.

Alguns defensores da liderança autocrática trataram de redefini-la.

Peshawaria definiu a liderança autocrática como:
• Atrever-se a ser diferente
• Desafiar o status quo
• Tomar riscos audaciosos
• Ser firme no caminho apesar dos reveses ou da resistência
• Implementar ideias audazes
• Ter um plano de longa duração.

Esta lista descreve o que faz o líder ao omitir a inclusão de colaboradores diretos no processo de tomada de decisões. O líder descrito anteriormente poderia praticar a autocracia tomando decisões por si só, ou poderia ser alguém que peça sugestões e conselhos aos outros para tomar decisões e obter o seu apoio. A liderança participativa não necessita ser gradual, cautelosa, vacilante ou dependente servilmente do consenso como método de tomada de decisões.

Os dados mostram que os líderes nos níveis mais altos são mais participativos

À medida que as organizações se tornaram mais planas e os intervalos de controlo aumentaram, vimos uma mudança nas preferências dos líderes de serem autocráticos versus colaborativos. Nos últimos três anos, Zenger & Folkman coletou aproximadamente 10.000 avaliações de líderes de todo o mundo que medem a sua preferência por serem mais autocráticos ou colaborativos.

O seguinte gráfico mostra as pontuações em percentis para diferentes níveis na organização.

Esta informação mostra uma tendência interessante. Os contribuintes individuais têm preferência por ser um pouco mais colaborativos que o inquirido médio, enquanto que os supervisores tendem a ser mais autocráticos em nove pontos percentuais. Isto é compreensível já que o supervisor é responsável pelo trabalho de todo o grupo.

A avaliação solicitava às pessoas que selecionassem em qual das seguintes duas afirmações se enquadravam melhor.

Para mim, ajudar os outros significa …

1. Permitir aos demais a oportunidade de encontrarem o seu próprio caminho.
2. Proporcionar direção e orientação.

Os contribuintes individuais selecionaram “Permitir aos demais a oportunidade de encontrar o seu próprio caminho” 52% das vezes, enquanto que só 40% dos supervisores selecionaram essa declaração.

Poder-se-ia argumentar que os altos dirigentes têm este luxo dada a natureza das pessoas com as que interatuam.

Supõe-se que os dirigentes têm colaboradores diretos mais experimentados e capazes. À medida que os líderes mudam de nível numa organização, inclinam-se para serem mais democráticos e menos autoritários.

A recomendação de que os líderes se tornam mais autoritários pode ser um bom conselho para os líderes de grupos em tempos de crise e para grupos com colaboradores diretos com menos conhecimento e experiência. Para a maioria dos líderes, sugerimos tomar a recomendação de se comportarem mais autocraticamente com muita prudência.

Sem embargo, a recomendação de que os líderes devem liderar é perfeita. Os líderes devem fazer com que as coisas sucedam e devem ter uma visão e um plano para a sua organização. Não devem ser cata-ventos influenciados pelas últimas opiniões. Devem defender iniciativas valentes e audazes. A chamada para que os líderes realmente liderem e não só sejam facilitadores do grupo é totalmente correta.

 

Nuevo llamado a la acción

António

No hay comentarios

No hay comentarios todavía.

Dejar un comentario