• es
  • pt-br
  • fr-fr
(+34) 902 207 782

Blog sobre Retenção e Desenvolvimento do Capital Humano

10 tipos de explicações visuais para melhorar o ‘Visual Thinking’

Imagine que quando chega a um cruzamento, vê uma placa que diz: ” Diminua a velocidade até parar suavemente, olhe para ambos os lados da estrada e, quando confirmar que nenhum outro veículo está vindo, recomece a marcha. Muito longo – e perigoso – não é? Em vez disso, encontramos sinais vermelhos octogonais identificados com a palavra Stop que, como explicações visuais, nos transmitem toda a informação anterior em décimos de segundo.

10 tipos de explicaciones visuales para potenciar el ‘Visual Thinking’

A nossa mente tem preferência pelo conteúdo gráfico, processando 60.000 vezes mais rápido uma imagem do que um texto. Não é de admirar que o sentido da visão capte 50% dos recursos do cérebro, de acordo com Daniel Silverman em Mais visuais, uma explicação científica. É por isso que a aprendizagem e a comunicação através de explicações visuais estão a espalhar-se por todas as áreas, desde a educação de menores até ao desempenho profissional dos adultos.

Percepção visual para a aprendizagem

Quando falamos de aprendizagem visual referimo-nos a “um método que utiliza um conjunto de organizadores gráficos com o o objectivo de ajudar, trabalhando com ideias e conceitos, a pensar e a aprender mais eficazmente, de acordo com a definição dada no artigo Organizadores gráficos da Eduteka.

Descarrega o eBook da medição científica da Formação e Desenvolvimento

Desde o início do século XX, os pesquisadores têm mostrado que as imagens podem ser interpretadas da mesma forma que um texto escrito. “A visão envolve capturar informação visual, processá-la e obter significado para interpretar e compreender tudo o que nos rodeia”, diz Elisa Aribau em A importância da percepção visual no processo de aprender a ler.

Não só isso, como George Purves Dale acrescenta no livro Neurociências, a visão tornou-se num dos sentidos mais relevantes, “uma vez que a maioria das atividades que os seres humanos realizam depende da informação que chega à retina e que é então selecionada e processada pelo córtex visual”. “Ouça uma informação e três dias depois vai lembrar-se de 10% dela. Acrescente uma imagem e lembrar-se-á de 65%”, diz o Dr. John Medina em Brain Rules.

Como resultado, as explicações visuais são uma poderosa ferramenta para adquirir conhecimento em todas as áreas, incluindo o empresarial, onde o Visual Thinking está a tornar-se cada vez mais importante, ou seja, utilizar desenhos para facilitar a aprendizagem.

Funções das explicações visuais

De fato, as metodologias Agile promovem o uso de explicações visuais como facilitadoras da comunicação e do pensamento criativo das equipas, entendendo-as como “uma representação visual que estabelece relações hierárquicas e paralelas entre conceitos amplos e inclusivos e aqueles mais específicos”, como concebido por Agustín Campos em Mapas conceptuais, mapas mentais e outras formas de representação do conhecimento.

“A comunicação ágil reconhece que a maioria das pessoas, na maioria das vezes, está muito ocupada para ler os detalhes, então, por padrão, os comunicadores ágeis simplificam e resumem, ajudando os seus leitores a compreender os conceitos básicos de forma muito fácil e rápida”, diz Giles Turnbull em A Guide to Agile Communication.

Em concreto, as explicações visuais contribuem para os seguintes aspectos:

  • Esclarecer ideias. Através de imagens, os profissionais percebem facilmente como ideias diferentes estão ligadas entre si e através de que tipo de relações (causais, temporais, associativas, etc.), facilitando a descoberta de padrões, relações e inter-relações entre conteúdos e a obtenção de uma compreensão mais global de qualquer questão.
  • Detectar erros. Da mesma forma, a maior facilidade de interpretação das representações gráficas permite às equipas detectar possíveis falhas no projecto.
  • Reforçar o conhecimento. Ao mesmo tempo que favorecem a aprendizagem dos outros, ao elaborar as explicações visuais também beneficiamos desta metodologia, já que, enquanto o fazemos, podemos interiorizar a nossa própria informação.
  • Priorizar. Também ativamos a nossa capacidade de síntese ao desenvolver organizadores gráficos, o que nos ajuda a priorizar as informações mais relevantes.
  • Integrar novos dados. Através das ferramentas do Visual Thinking, gestores e trabalhadores podem adicionar novas ideias às anteriores, integrando dados sobre o conhecimento existente, para que seja gerada uma aprendizagem mais profunda e com uma perspectiva holística.
  • Promover a consecução de objectivos. De acordo com a Lei de Visualização formulada por Edward C. Peach em A Arte e a prática da visualização criativa, quanto mais nítida for a imagem mental criada sobre uma meta, mais fácil será alcançá-la.

Tipos de organizadores gráficos

Porém, existem inúmeros modelos de explicações visuais que podemos usar na empresa dependendo do conteúdo que queremos expressar. Em geral, os organizadores gráficos mais utilizados pelas empresas são:

  1. Esquemas. Estes são talvez os mais populares, devido à sua utilização durante a formação académica, e consistem na elaboração de um resumo de uma realidade complexa através de categorias hierárquicas. No mundo dos negócios, podemos usá-los para apresentar sínteses de relatórios extensos.
  2. Mapas conceituais. São diagramas nos quais coletamos proposições sobre conceitos e relacionamentos através de palavras e setas para criar uma explicação gráfica que facilite o entendimento sobre algum assunto, como o propósito de uma empresa ou a estrutura do website corporativo.
  3. Mapas mentais. Ao contrário das anteriores, estas explicações visuais podem utilizar elementos gráficos e cores de todo o tipo e têm como objectivo o desenvolvimento de ideias secundárias a partir de um conceito central, favorecendo a estruturação de novos conhecimentos com os anteriores. Eles podem ser usados, por exemplo, para moldar o design de um novo produto.
  4. Mapas de Ideias. Nesta modalidade não existem relações hierárquicas entre os diferentes elementos que a compõem, mas servem para associar ideias, palavras ou conceitos, como os emitidos durante uma sessão de brainwriting.
  5. Teias de aranha. Muito semelhante aos mapas de conceitos e mapas de ideias, as teias de aranha diferem das primeiras na medida em que não vamos recolher palavras de ligação para fazer proposições, e das últimas na medida em que as relações nestas explicações visuais são hierárquicas. São aplicáveis, por exemplo, para delinear as ligações entre os diferentes produtos ou serviços e os diferentes públicos-alvo.
  6. Mapas semânticos. Permitem-nos observar um conceito com as suas ideias relacionadas, seja por razões semânticas, genéricas, de valor, etc. Podem ajudar a recolher as competências que um candidato deve reunir num processo de selecção.
  7. Cronologia. Neste caso, as explicações visuais têm uma ordem cronológica ou sequencial, representando as diferentes etapas a serem realizadas. São muito úteis para registar o processo de montagem de um artigo ou o planning de trabalho de um projecto, pois ajudam a organizar as tarefas.
  8. Roda de atributos. Consistem numa representação visual do pensamento analítico, favorecendo o aprofundamento em diferentes características de um objeto ou pessoa determinada, como configurar o público objetivo de um produto.
  9. Diagramas de Venn. São representados por círculos (aludindo a um conceito) que se sobrepõem numa determinada área, mostrando as ideias que todos partilham. Ajuda-nos, por exemplo, a descobrir para onde dirigir a empresa, vendo onde converge o que queremos fazer, o que fazemos bem e o que podemos fazer por uma taxa.
  10. Diagramas causa-efeito. Também conhecidos como diagramas de Ishikawa ou espinha de peixe, trata-se de apresentar as causas reais ou potenciais de um evento, onde a coluna do peixe seria esse fato e os diferentes espinhos os motivos que o originaram. A sua utilização é generalizada na análise da qualidade ou na gestão de crises.

Para reforçar o poder das explicações visuais, no Grupo P&A oferecemos um curso de Técnicas de Apresentação em Público, com o qual os profissionais podem melhorar as suas capacidades pessoais expressivo-comunicativas, oferecendo-lhes as melhores soluções para sintetizar mensagens e comunicá-las através de suportes de imagem fortemente significativos.

Nuevo llamado a la acción

Mariano Opere Director de Estudios y RR.HH. en Grupo P&A
Consultor de Dirección, liderazgo y habilidades directivas, con larga experiencia en proyectos de consultoría en empresas internacionales y pymes

No hay comentarios

No hay comentarios todavía.

Dejar un comentario