• es
  • pt-br
  • pt-pt
(+34) 902 207 782

Blog sobre Retenção e Desenvolvimento do Capital Humano

Visão e competência estratégica

Visão estratégica é a capacidade de imaginar possibilidades alternativas à realidade do momento presente, assim como as estratégias ou formas para as alcançar. A determinação da visão, a sua comunicação à organização e a sua manutenção no tempo constituem o fundamento da empresa.

As pessoas que ocupam postos diretivos numa organização necessitam desenvolver esta competência, em vários aspetos:

  • O primeiro, é ter uma visão mais ampla da organização, um olhar largo e de longo prazo, capaz de contemplar a evolução da economia, da indústria e do comércio, da tecnologia que é própria da empresa.
  • O segundo aspeto é ter a mente aberta a novas realidades possíveis e a novos enfoques; admitir que as coisas podem fazer-se de maneira diferente da que sempre se fez.
  • Um terceiro aspeto sublinha a capacidade de comunicar aos outros essa visão, sobretudo às pessoas da organização, aos colaboradores e colegas, mas também aos clientes e fornecedores. O propósito desta comunicação é ajudar os outros a compreenderem a visão, para que se possa traduzir em objetivos desafiantes e significativos. Finalmente, é fundamental saber conectar esta visão panorâmica da empresa com as táticas e  os objetivos a curto prazo.

Na estrutura organizativa ao menos algumas pessoas necessitam dessa visão estratégica. Mas se pensamos um pouco mais, contemplando as funções e os produtos da empresa, poderíamos aceitar que a liderança de qualquer função empresarial, assim como os responsáveis dos diferentes produtos, necessitam  de uma visão ampla e de longo alcance, pois não deveriam deixar de se questionarem sobre a maneira de criar valor acrescentado à sua função ou produto.

Visión Estrategica

Como competência pessoal, a visão estratégica é uma necessidade estreitamente vinculada com o êxito da função diretiva, o que é uma conclusão esperada. Sem embargo, a visão estratégica sozinha não é suficiente. Um líder necessita de uma perspetiva estratégica, mas também de outras capacidades de gestão, como entender como se obtêm resultados empresariais ou a tecnologia subjacente aos seus produtos, sem as quais o pensamento estratégico deixa de ter uma grande influência nas pessoas da organização.

Qual é a relação destas duas capacidades com a liderança extraordinária? Zenger & Folkman demonstraram que se um líder é muito bom em Visão estratégica mas não o é em talento empresarial ou tecnológico, a probabilidade de ser um líder extraordinário é de 13%. Desde logo esta combinação é melhor que a sua contrária: se um líder é muito bom em talento empresarial ou tecnológico, mas não o é em visão estratégica, a probabilidade de ser um líder extraordinário é de apenas 3%. A terceira combinação oferece-nos um resultado formidável: se uma pessoa é muito boa em Visão estratégica e também em talento empresarial ou tecnológico, a probabilidade de ser um líder extraordinário é de 83 %. Este resultado é o efeito de uma “combinação poderosa”, e a visão estratégica mais o talento profissional é uma combinação poderosa.
Guia: Como ser um bom líder de equipa?

Assim pois, a visão estratégica é imprescindível para o êxito da liderança, mas não à custa das capacidades de gestão ou técnicas, porque ambos os aspetos são considerados muito importantes pelos superiores, colegas e colaboradores do líder.

Competência estratégica

O desenvolvimento do pensamento estratégico e dos comportamentos que manifestam essa competência, deveriam ser parte imprescindível de qualquer esforço dirigido ao desenvolvimento da liderança. Em qualquer atividade, os líderes devem ter a mente aberta às novas realidades. Ter claro para onde se dirige a empresa ou a unidade organizacional resulta essencial, e um programa de desenvolvimento eficiente deve ajudar os líderes a articular essa visão e a transmiti-la a todo o mundo em forma de metas e ações.

Tudo isto sugere que o desenvolvimento mais efetivo da perspetiva estratégica se produz dentro da organização, e não fora dela. (Zenger, Ulrich, Smallwood). Os líderes devem aprender a simplificar o volume de informação que lhes chega, a transformar a complexidade em simplicidade e a ter uma visão de conjunto. Dedicar tempo a analisar e compreender. Resumir um assunto complexo em uma única página é uma forma de praticar a difícil arte de simplificar.

Mas também resulta fundamental ter uma visão de conjunto do negócio, incluindo a construção de cenários com uma perspetiva adiantada do processo de mudança, empresarial e tecnológico. A visão de conjunto inclui uma análise profunda dos factos que concorrem no contexto e no mercado, contemplar um equilíbrio entre os interesses dos acionistas, clientes, fornecedores e empregados e a sociedade. Também supõe um equilíbrio entre cuidar dos empregados e conseguir resultados num espaço temporal limitado, habitualmente com certa escassez de recursos. Significa guardar o equilíbrio entre a necessidade de ser inovadores e a necessidade de ter um controlo e uma coordenação razoáveis. Para além de tudo isto, há que compaginar crescimento e mudança com uma certa necessidade de predição e controlo. Assim mesmo, deve-se combinar autonomia e autocontrolo com a necessidade de ter uma direção forte e umas responsabilidades bem definidas.

Quiçá neste equilíbrio se encontra a chave de tudo isso. A Visão estratégica de um líder necessita estar acompanhada de talento empresarial e técnico, e é então quando se converte numa força poderosa.
New Call-to-action

Mariano Opere Director de Estudios y RR.HH. en Grupo P&A
Consultor de Dirección, liderazgo y habilidades directivas, con larga experiencia en proyectos de consultoría en empresas internacionales y pymes

No hay comentarios

No hay comentarios todavía.

Dejar un comentario