• es
  • pt-br
  • pt-pt
(+34) 902 207 782

Blog sobre Retenção e Desenvolvimento do Capital Humano

Medo do feedback? Aproveite as vantagens de uma avaliação de 360º

evaluación 360

Se seguirmos o exemplo dos melhores, a mensagem é clara: mais de 85% das companhias que aparecem no ranking Fortune 500 utilizam o método da avaliação de 360º para desenvolver a sua liderança. Então, porque não a aplicamos?

Em que consiste?

Uma avaliação de 360º, da mesma forma que outros mecanismos de análise de desempenho, vai nos permitir conhecer a qualidade com a qual desenvolvemos as nossas funções, com a característica de que com esta ferramenta obteremos uma visão global do nosso trabalho, já que tanto superiores como subalternos, clientes e colegas vão participar no diagnóstico com as suas contribuições.

Deste modo, vamos poder contar com o feedback integral que nos vai permitir medir as nossas forças e fragilidades como superiores e elaborar, com base nestes resultados, as medidas que sejam necessárias para potenciar as primeiras e minimizar as segundas.

Guia: Como ser um bom líder de equipa?

De facto, o especialista Jack Zenger, cofundador e CEO de Zenger&Folkman, explica que são raros os casos dos líderes que têm um auto-conhecimento alto de si mesmos como superiores graças à retro-alimentação por parte dos seus colegas de empresa devido a uma falta de vontade para escutar esse mesmo feedback, o que mostra a importância de implementar avaliações de 360º que nos permitam ser conscientes das nossas falhas e limitações para poder trabalhar sobre elas.

Esta rejeição inicial às avaliações de 360º baseia-se na conotação negativa que tradicionalmente tem acompanhado o feedback. Mas se queremos dirigir e liderar empresas atuais, modernas e inovadoras, devemos deixar de lado os nossos medos à crítica e saber aproveitar o que os demais têm para dizer.

Conselhos para um feedback adequado

Isso sim, para que o resultado de uma avaliação de 360º seja óptimo, Zenger recomenda seguir as seguintes pautas no seu desenvolvimento:

  • Centrar a atenção nas forças do avaliado e deixar em segundo plano as fragilidades do superior para conseguir uma retro-alimentação em chave positiva.
  • Manter um feedback fluído e constante ao longo do tempo. Deste modo, estaremos sempre dependentes do nosso desempenho e poderemos trabalhar dia a dia na busca da perfeição.
  • Escolher um sistema de avaliação de 360º de qualidade, isto é, baseado em investigações científicas, e não só pela troca de opiniões entre os vários líderes.
  • Comparar os resultados com pontuações de alto nível para evitar que médias medíocres sejam percebidas como boas e, por tanto, criam a falsa sensação de êxito.
  • Medir a extensão da avaliação. Não é necessário realizar uma imenso questionário de duas horas para avaliar o nosso desempenho como líderes; com 15 minutos é mais do que suficiente para criar as avaliações.

Seguindo estes conselhos, vamos conseguir que o que considerávamos um mal trago passe a ser um regalo, que nos ajude a conhecer nos melhor e a desenvolver nos profissionalmente como chefes de equipa. Talvez nos surpreenda descobrir que os nossos colegas nos consideram grandes negociadores e isto nos motive para reforçar esta destreza; ou que nos falta capacidade de decisão em alguns momentos e não nos apercebemos.

Portanto, é indispensável que recebamos os resultados da avaliação de 360º com uma atitude de mente aberta, sem estar na defensiva ou mostrar resistência, para que possam converter se em mudanças efetivas na empresa.

 

Este artigo está baseado nas investigações de Jack Zenger.

New Call-to-action

Luis Lopez Consultor en Desarrollo y Mejora Organizacional, Coach y Formador con más de 15 años de experiencia internacional llevando a cabo proyectos para crear sinergias.

No hay comentarios

No hay comentarios todavía.

Dejar un comentario