• es
  • pt-br
  • pt-pt
(+34) 902 207 782

Blog sobre Retenção e Desenvolvimento do Capital Humano

A lealdade dos trabalhadores para com suas empresas está aumentando

La lealtad de los trabajadores, en aumento

Quem ficar muito tempo na mesma empresa: os trabalhadores hoje ou 25 anos atrás? A resposta aparece no estudo bianual sobre a retenção de trabalhadores no Bureau of Labor Statistics dos Estados Unidos, em que de desmistificam algumas ideias sobre a falta de lealdade dos empregados contemporâneos

Neste sentido, a pesquisa (que teve 60.000 entrevistados) mostra que, enquanto em 1983, os trabalhadores gastaram uma média de 3 anos e meio na mesma empresa, em 1998, essa média subiu para 3,6 anos até atingir 4,6 anos hoje.

Apesar da crença generalizada de que o capital humano atualmente tende mais para a mobilidade e que os funcionários não estão interessados em desenvolver sua carreira na mesma empresa, o certo é que a realidade aponta para vínculos contratuais cada vez mais duradouros.

No entanto, os resultados relatados variam de acordo com as circunstâncias dos entrevistados, tais como idade, sexo, nível educacional ou setor.



Guia: Como conseguir a excelência na sua empresa


 Por idade

Os trabalhadores mais velhos, com idades compreendidas entre os 55 e os 65 anos mostram uma permanência média de 10,4 anos, três vezes maior do que os empregados entre 25 e 34 anos, com 3 anos de permanência na mesma organização.

Enquanto isso, na faixa etária de 30 a 34 anos, apenas 12% dos participantes tinham mais de 10 anos sem mudar de  empresas, uma percentagem que sobe para 58% para os trabalhadores com idade entre 60 e 64 anos.

No entanto, embora esses resultados são motivados em parte pelas próprias diferenças de idade dos entrevistados, o mais interessante do estudo é que ele confirma a tendência para uma maior fidelização hoje: todos os grupos etários aumentaram a sua estada média na mesma organização desde 2004.

Por género

O gênero dos participantes traz pequenas diferenças entre a permanência de homens e mulheres nas empresas. Assim, os homens têm uma média de 4,7 anos, sem mudanças em seu trabalho, enquanto as mulheres são permanecem na mesma organização por 4,5 anos.

Ao analisar estadias de longa duração, 30% dos trabalhadores do sexo masculino passam uma década sem sair da empresa, em comparação com 28% das mulheres.

No entanto, apesar da capital humano feminino oferecer uma  inferior a média do sexo masculino, a evolução vivida pelas mulheres nos últimos 6 anos em termos de permanência é maior, de 3,8 anos, em média, 4,5 anos.

Por nivel de estudos

Neste ponto, não se vê uma relação direta entre a formação e permanecer na mesma empresa.

Assim, embora os trabalhadores com o ensino primário só permaneçam em média 4,4 anos na mesma empresa, aqueles que tenham concluído o ensino médio  apresentam altos níveis diante de outros  níveis de ensino (formação profissional, os títulos universitários, doutorado …), exceto trabalhadores com um grau de mestrado, chegando a  6,3 anos, na mesma empresa  sem interrupções , é o o mais alto no relatório.

Por setores

No setor público é quase o dobro do privado em termos de retenção de funcionários, com 7,8 anos, em média, no primeiro contra  4,1 anos em comparação com o segundo.

No setor privado, os trabalhadores na indústria transformadora são a mais tempo permanecem trabalhando na mesma organização, uma média de 5,9 anos, enquanto os funcionários do setor de serviços têm as taxas mais baixas, com apenas 2, 3 anos, em média, o que é explicado pela idade do capital humano dessas áreas de actividade, tais como a sazonalidade de ambas as empresas no sector terciário.

Entre as principais ocupações, os trabalhadores mais antigos registrados estão relacionados com a gestão (6,9 anos), arquitetura e engenharia (6,4 anos) e educação e formação (6,2 anos). Os contratados para postos no setor de serviços, novamente, apresentam médias mais baixas (média de 3,3 anos), especialmente aqueles relacionados à restauração, com 2,2 anos.

New Call-to-action

Enric-Francesc Oliveras Responsable de Marketing online y Formación elearning
Consultor y formador apasionado de las TIC, Marketing Digital y Diseño, llevo años en continuo aprendizaje a la vez que ayudando a otros profesionales en su aprendizaje personal.

No hay comentarios

No hay comentarios todavía.

Dejar un comentario